4 técnicas-chave para poses

Compartilhar

A pose representa um dos principais desafios para quem trabalha com retratos de pessoas, e aprimorar tais conhecimentos é uma necessidade vital.

Quando o fotógrafo tem esta dificuldade, os clientes se esforçam muito para entender o sentido daquilo que ele está tentando transmitir, e podem se sentir entediados com muita facilidade. Em meio a diversas tentativas e incertezas, a esperança de conseguir algumas imagens boas é o único sentimento vivido por este profissional, que certamente irá comemorar aliviado posteriormente caso algumas poses tenham ficado boas ou ao menos aceitáveis.

Posar é algo subjetivo. O que fica ótimo em algumas pessoas, pode ficar péssimo em outras. Por isso, regras devem ser evitadas e focaremos aqui apenas em técnicas, pois estas nos proporcionam diretrizes gerais que podem ser alteradas e trabalhadas por cada um no seu próprio estilo.

Contudo, uma pergunta deve ser o ponto de partida: retrato ou espontâneo? Em um retrato, as pessoas estão cientes da câmera, em um momento espontâneo, as pessoas não devem parecer estar cientes dela, mesmo que estejam. Isso altera tudo quando se trata de poses e de como você as realiza.

Com um pouco de conhecimento e muita prática, você aprenderá que posar é algo simples. Você não se sentirá preocupado, assumirá o comando e saberá exatamente o que quer.

Então vamos às 5 técnicas-chave!

Técnica 1: Buscando a naturalidade

A postura é a base para a construção de uma pose, e uma boa postura é alcançada ao atingir um equilíbrio na distribuição do peso do corpo.

A coluna deve estar o mais reto possível, fator comumente negligenciado. Muitos dos problemas encontrados ao posar alguém poderiam ser facilmente resolvidos ao endireitar a coluna e se certificar que os ombros estejam relaxados, tanto para modelos em pé quanto para modelos sentados.

Para alcançar poses naturais, basta imitar o que o corpo já realiza naturalmente. Ao posicionar uma pessoa de pé, por exemplo, ela deve manter um joelho dobrado e outro esticado, enquanto apóia o peso em um dos pés. Mantendo a coluna reta, isto resultará em uma pose relaxada e natural.

Instintivamente, o comportamento das pessoas ao se deparar com uma câmera apontada para elas é justamente o contrário do natural. Mãos são colocadas para baixo, pés são posicionados uniformemente e o corpo fica totalmente ereto, passando uma sensação robótica.

É obrigação do fotógrafo observar estes detalhes, não permitindo que as pessoas se posicionem sem seu auxílio.

Resumindo:

  • Concentrar mais peso em um dos pés
  • Manter a coluna reta
  • Manter ombros relaxados

Técnica 2: Posicionamento do rosto

Sem levar em consideração as expressões, analisaremo aqui alguns aspectos importantes ao se posicionar o rosto.

Tente buscar uma forma contrastar o pescoço e a cabeça. Sem isto em mente, alguns posicionamentos podem levar a uma unicidade visual do rosto e do pescoço, fazendo com que o conjunto pareça um elemento único, uma grande massa de pele desagradável a todos.

Este contraste pode ser obtido através de alguns meios:

  • Iluminação e sombras, deixando o rosto levemente mais claro que o pescoço
  • Profundidade de campo rasa, focando nos olhos com aberturas maiores ou lentes com distância focal maior para desfocar o pescoço
  • Ângulo alguns centímetros mais alto que o nível dos olhos sempre que possível, evitando ângulos mais baixos que o nível do queixo
  • Posição do queixo ao se mover a cabeça para um dos lados, de forma que os planos do rosto e do pescoço sejam diferentes

Técnica 3: Posicionamento das mãos

O posicionamento das mãos deve ser considerado com a mesma importância que os olhos e a expressão, pois elas são capazes de transmitir mensagens e alterar completamente o aspecto de uma fotografia.

É preciso prestar muita atenção aos dedos, ao ângulo formado por eles e ao seu espaçamento. Em algumas fotos de casais, por exemplo, uma simples mudança de ângulo das articulações dos dedos pode deixar de transmitir uma sensação romântica e passar a transmitir uma sensação mais sensual.

Pensando novamente sobre a Técnica 1, ao buscar a naturalidade, joelhos, cotovelos, dedos devem evitar os ângulos de 90 graus! Naturalmente, quando estamos a vontade, seja sentado ou em pé, estas articulações raramente são mantidas por nós nestas posições, exceto quando o braço está repousado sobre algo ou alguém, por exemplo. Desta forma, esta regra se encaixa perfeitamente quando tratamos do posicionamento das mãos.

Ao se fotografar grandes grupos de pessoas, coordenar a todos pode se tornar um desafio, já que estes detalhes devem ser observados em todos simultaneamente. Contudo, a forma como você os posiciona pode ser um grande diferencial, possibilitando transmitir uma sensação de proximidade e afeto entre pessoas de uma família, solidificando as relações.

Antes de apertar o botão disparador, observe se todos se parecem completamente naturais. Certifique-se de que todos os cotovelos estejam levemente dobrados e faça uma verificação final nas mãos.

Técnica 4: Conduzindo o olhar

As expressões são fortemente influenciadas pelo olhar. Juntamente com as mãos, ambos dizem mais sobre a expressão da pessoa do que qualquer outra coisa. Apesar disso, a maioria dos fotógrafos não se atenta a estes fatores e deixam de orientar seu cliente sobre estes importantes detalhes.

Para a questão dos olhos, tente ser o mais específico possível em suas orientações. Fale pra pessoa para onde ela deve olhar de forma exata, pedindo para que ela fixe em um objeto ao redor, ou em alguma parte do corpo do companheiro e uma foto de casal, como um dos cotovelos, por exemplo. Esta simples ação te possibilita alcançar o que procura, deixando a pessoa menos confusa e mais confiante em relação ao seu trabalho.

A partir de então, basta pedir para que a pessoa sorria, ou mantenha um semblante mais sério, de acordo com a mensagem que você deseja transmitir.

Preparado?

Em conjunto, estas 4 técnicas lhe tornarão fotógrafo mais confiante de si mesmo, proporcionarão uma melhor direção de modelos, trarão resultados muito mais naturais e, quem sabe, mais artísticos, já que a preocupação antes existente agora abrirá o espaço para novos olhares e percepções.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *