Temperatura de cor e balanço de brancos

Compartilhar

Como pudemos ver na página Luz e cores, a luz branca é, na verdade, uma mistura de todas as cores do espectro visível. Mas quais são exatamente as proporções de cada uma dessas cores para criar o que percebemos como luz branca?

Gráficos de Distribuição de Energia Espectral

Os Gráficos de Distribuição de Energia Espectral (em inglês, Spectral Power Distribution – SPD) são capazes de demonstrar esta composição, nos indicando a intensidade relativa de cada cor separadamente.

Exemplos de SPDs simplificados

Em (1) temos um SPD para a luz de uma lâmpada incandescente. Fontes como essa têm SPDs ponderados para a região amarela / vermelha do espectro. Em (2) temos um SPD para a luz do dia, podendo dizer que há maior uniformidade entre as cores, com ponderação leve para tons azuis. Em (3) temos um SPD para alguma outra fonte luminosa ponderada para a extremidade azul / violeta.

As 3 fontes são consideradas luzes “brancas” com composições variadas, mesmo que as enxerguemos com tonalidades diferentes.

A maneira mais simples e objetiva encontrada pelos cientistas para descrever cada um desses SPDs, com uma única variável, é através da chamada Temperatura de Cor.

Temperatura de Cor

Este termo causa certa estranheza à primeira vista, afinal, o que temperatura tem a ver com cor? Bem, a temperatura de cor é medida em uma escala de graus Kelvin (unidade semelhante aos graus Celsius e Fahrenheit), representando a cor da luz emitida por um objeto naturalmente negro quando esse é aquecido àquela temperatura. Este tipo de objeto tem características únicas, pois ele absorve 100% das ondas eletromagnéticas incidentes, e suas únicas cores derivam exclusivamente da irradiação que surge com seu aquecimento.

A escala Kelvin relativa a cores tem como ponto inicial a temperatura a partir da qual o objeto negro começa a irradiar luz visível, aproximadamente 800k, e varia até aproximadamente 12000k. Abaixo desta escala, o objeto irradia apenas infravermelho, e acima começa a irradiar apenas ultravioleta.

Importante, então, destacar a razão inversa observada:

  • Quanto menor a temperatura, mais quente é o branco (mais amarelado)
  • Quanto maior a temperatura, mais frio é o branco (mais azulado)

Nosso cérebro é capaz de processar as cores enxergadas, interpretando-as conforme o contexto. Por exemplo, suponha que estamos em um ambiente com cores quentes. O cérebro sempre buscará efetuar correções “azulando” a forma como enxergamos este ambiente, de forma que as cores se tornem mais naturais. A câmera fotográfica realiza esta mesma função através de um recurso chamado Balanço de Brancos (em inglês, White Balance – WB).

O Balanço de Brancos

O Balanço de Brancos define um padrão para compensação de cores a ser realizado pela câmera, análogo ao que o nosso cérebro faz, como dito acima.

Ao atribuirmos um perfil de temperatura nas configurações, a câmera determinará quais os ajustes necessários para que a imagem pareça natural para nós.


Pré-definições de White Balance disponíveis em câmeras Canon

Logo, ao configurar o Balanço de Brancos para fotos com luzes mais azuladas (temperatura Kelvin mais alta), a câmera compensará “amarelando” todas as cores da imagem para corrigí-las, fazendo os brancos serem realmente brancos.

O modo AWB (Balanço de Brancos Automático) é, geralmente, bem acertivo e confiável, sendo um modo amplamente utilizado.

RAW e JPEG

Os arquivos RAW produzidos pelas câmeras, por serem imagens ainda sem processamento, não possuem o Balanço de Brancos ainda definido. Ou seja, carregam a informação de que a câmera utilizou determinada temperatura, mas o ajuste poderá ser livremente alterado no tratamento posterior, no computador, sem prejuízo algum caso tenha sido configurado de forma errada.

Os arquivos JPEG, por sua vez, já são salvos no cartão de memória com as cores definidas e processadas pela câmera, causando impactos negativos caso haja necessidade de ajustes de cor no tratamento posterior.

Esta característica, por si só, já demonstra o quão vantajoso é fotografar em RAW em detrimento do JPEG. Mais comparações entre as vantagens e desvantagens de cada formato poderão ser lidas em outras páginas de nosso site.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *